O aspecto secular-religioso dos Peanuts: Uma análise teolinguística da prédica de Charles Schulz através da narrativa figurada

Charles Schulz era de origem luterana e afirmava que, em suas tiras, ele desenhava para dois tipos de editores: os seculares e os eclesiásticos. Ele salienta que trabalhava para editoras seculares através das associações de jornais e que, naturalmente, ele deveria ter uma certa cautela para expressa...

Full description

Saved in:
Bibliographic Details
Published in:Estudos teológicos
Main Author: Lira, David Pessoa de (Author)
Format: Electronic Article
Language:Portuguese
Check availability: HBZ Gateway
Journals Online & Print:
Drawer...
Published: [2016]
In:Estudos teológicos
Year: 2016, Volume: 56, Issue: 1, Pages: 40-54
Further subjects:B linguagem religiosa e secular
B Teolinguística
B Peanuts
B Religious and secular language
B Charles Monroe Schulz
B Charlie Brown
B Theolinguistics
Online Access: Volltext (Kostenfrei)
doi
Description
Summary:Charles Schulz era de origem luterana e afirmava que, em suas tiras, ele desenhava para dois tipos de editores: os seculares e os eclesiásticos. Ele salienta que trabalhava para editoras seculares através das associações de jornais e que, naturalmente, ele deveria ter uma certa cautela para expressar coisas. Fato é que Schulz também trabalhou para uma publicação católica romana, a Timeless Topix. Ele chegou a afirmar que várias pessoas em trabalho religioso haviam escrito para lhe agradecer pela pregação da sua maneira através das histórias em quadrinhos. Boa parte da vida de Schulz foi dedicada à tira dos Peanuts. Ele tinha o trabalho em igrejas para encorajar pessoas diante de certas dificuldades, mas o aspecto secular dos Peanuts, principalmente de Charlie Brown, trouxe contribuições no que diz respeito aos aspectos religiosos das pessoas quando a tira passou a ser amplamente divulgada entre 1958 e 1971. A influência foi tamanha que o reverendo presbiteriano Robert L. Short publicou The Gospel According to Peanuts (1962) e The Parables of Peanuts (1968). Os Peanuts, para Schultz, era uma “confissão de fé”. Este texto prima mostrar que, a despeito de sua finalidade de um cotidiano secular, Schultz deixa inferir, nos personagens de A Boy Named Charlie Brown, palavras de empoderamento e encorajamento, e isso transpassa as fronteiras da secularidade e da religiosidade. O presente artigo objetiva mostrar, por meio de uma análise teolinguística, como os Peanuts conservaram aspectos seculares e religiosos em sua linguagem.
ISSN:2237-6461
Contains:Enthalten in: Estudos teológicos
Persistent identifiers:DOI: 10.22351/et.v56i1.2721